Orquite - Clínica Reproduce Orquite - Clínica Reproduce

Orquite

A inflamação de um ou de ambos os testículos é denominada orquite. Geralmente surge como consequência da caxumba em meninos na pré-puberdade. Em jovens e adultos, costuma ser causada por bactérias, algumas de transmissão sexual, como Chlamydia trachomatis e Neisseria gonorrhoeae.

Quando é diagnosticada precocemente, a orquite é facilmente tratada. O diagnóstico tardio, por outro lado, pode causar dor e danos testiculares, resultando em diferentes complicações para a saúde masculina.

Este texto explica a orquite. Destaca as causas que provocam a inflamação, os sintomas que alertam para a necessidade de procurar auxílio médico, diagnóstico e tratamento.

Quais são os sintomas da orquite?

Os principais sintomas de orquite são dor testicular, moderada ou grave, além de inchaço em um ou ambos os testículos, que podem ocorrer repentinamente. No entanto, manifestações como sensibilidade por algumas semanas, dor na virilha, febre baixa e náusea associada à vômito também são comuns nesta inflamação.

A orquite pode afetar um ou os dois testículos. É importante procurar auxílio médico se houver a manifestação de qualquer sintoma, principalmente dor súbita. Se não for tratada, pode causar o encolhimento do testículo (atrofia), abscesso escrotal e a produção inadequada de testosterona (hipogonadismo). Quando ocorrem essas complicações, a produção de espermatozoides também pode ser afetada de forma parcial ou completa.

O que pode causar orquite?

A orquite bacteriana resulta frequentemente de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), como clamídia e gonorreia, afetando principalmente homens sexualmente ativos que praticam sexo sem o uso de preservativos.

Porém, também pode ser provocada por outras bactérias que não são de transmissão sexual, como aquelas que causam infecções urinárias.

Já a orquite viral é causada principalmente pelo vírus da caxumba e pode ter como consequência a infertilidade. Em alguns casos, a orquite ocorre por causas desconhecidas.

Como a orquite é diagnosticada?

Além da manifestação súbita de dor, a suspeita de orquite pode ser confirmada ainda durante o exame físico, que permite detectar alterações, como assimetria ou inchaço dos testículos, sensibilidade, a presença de nódulos na virilha e secreção peniana.

Porém, para confirmar o diagnóstico e descartar a incidência de outras patologias masculinas com características semelhantes, são realizados exames laboratoriais e de imagem.

Testes hormonais analisam os níveis de testosterona; os de urina confirmam se a causa foi infecção no trato urinário e identificam o tipo de bactéria; o rastreio de ISTs identificam a presença de outros agentes patológicos. Os exames de imagem, por outro lado, avaliam o testículo inflamado, além de indicar se a inflamação foi causada por outras condições. Geralmente é realizada a ultrassonografia dos testículos.

Os resultados diagnósticos orientam o tratamento mais adequado para cada caso.

Quais são os tratamentos indicados para orquite?

O tratamento para orquite pode ser farmacológico ou cirúrgico. Se for provocada por bactérias, são prescritos antibióticos de acordo com o tipo, assim como a dosagem e ciclo de tratamento. Quando os agentes são sexualmente transmissíveis, o ideal é tratar a parceira também, pois pode haver uma nova contaminação.

Os sintomas diminuem cerca de 72 horas após a administração do antibiótico. No entanto, a reavaliação médica deve ser realizada logo após o término do tratamento para confirmar se houve cura ou se há necessidade de prosseguimento terapêutico.

Para a orquite viral, geralmente são prescritos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), que combatem a inflamação e aliviam os sintomas. Os resultados a partir da administração do remédio são bem mais rápidos. Normalmente os sintomas diminuem em poucos dias, embora a sensibilidade testicular possa permanecer ainda por várias semanas.

A abordagem cirúrgica é apenas indicada se houver a formação de abscesso, para drená-los, se a orquite evoluir para estágios mais graves ou se tornar recorrente e não retroceder com o tratamento. Nesse caso, é recomendada a remoção de um ou ambos os testículos, procedimento conhecido como orquiectomia.

A adoção de algumas medidas, como o uso de um suporte atlético tipo suspensório e a aplicação de compressas de gelo no local, podem ajudar bastante a diminuir o desconforto provocado pela inflamação.

Compartilhar:

Deixe o seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *